Arthur e Aranda, Sertanejo Universitário, Shows, Eventos, Rodeios, Baladas, Festas, Exposições, Musica, Sertanejo, Email, Msn, Notícias, Universitario, Facebook, Orkut, Twitter, Moda De Viola, Viola Caipira, Pop Sertanejo, Country, Fest, Tour, Blog, @ arthurearanda

Archive for the ‘Arthur & Aranda’ Category

FRASES DE ARISTÓTELES

Aristóteles

Influente filósofo grego, discípulo de Platão. Dedicou sua vida ao desenvolvimento de conceitos fundamentais de ética, lógica, política, e outros, que são usados até hoje.

A inteligência é a insolência educada.
Aristóteles

Alguns pensam que para se ser amigo basta querê-lo, como se para se estar são bastasse desejar a saúde…

Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito.
Aristóteles

O homem solitário é uma besta ou um deus.

Aristóteles

O que é um amigo? Uma única alma habitando dois corpos.
Aristóteles

Sócrates é meu amigo, mas sou mais amigo da verdade.
Aristóteles

Um bom começo é a metade.
Aristóteles

A primeira qualidade do estilo é a clareza.
Aristóteles

O belo é o esplendor da ordem.
Aristóteles

A cultura é o melhor conforto para a velhice.
Aristóteles

O menor desvio inicial da verdade multiplica-se ao infinito à medida que avança.
Aristóteles

Ter muitos amigos é não ter nenhum.
Aristóteles

O historiador e o poeta não se distinguem um do outro pelo fato de o primeiro escrever em prosa e o segundo em verso. Diferem entre si, porque um escreveu o que aconteceu e o outro o que poderia ter acontecido.
Aristóteles

Todos os trabalhos pagos absorvem e degradam o espírito.
Aristóteles

O sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz.
Aristóteles

A alma é a causa eficiente e o princípio organizador do corpo vivente.
Aristóteles

No fundo de um buraco ou de um poço, acontece descobrir-se as estrelas.
Aristóteles

A natureza não faz nada em vão.
Aristóteles

O convidado é melhor juiz de uma refeição que o cozinheiro.
Aristóteles

Haverá flagelo mais terrível do que a injustiça de armas na mão?
Aristóteles

O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflecte.
Aristóteles

Para nos mantermos bem é necessário comer pouco e trabalhar muito.
Aristóteles

A amizade perfeita apenas pode existir entre os bons.
Aristóteles

Devemos nos comportar com os nossos amigos do mesmo modo que gostaríamos que eles se comportassem conosco.
Aristóteles

[Em arte] o impossível verosímil é preferível ao possível não acreditável.
Aristóteles


		
Anúncios

Arthur e Aranda

Arthur e Aranda

Contato

https://arthurearanda.wordpress.com/

Erro

Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda, Arthur e Aranda,

O SOM DO SILÊNCIO – The Sound of Silence simon garfunkel

O SOM DO SILÊNCIO – The Sound of Silence simon garfunkel

The Sound of Silence
Simon & Garfunkel
Olá escuridão, minha velha amiga
Eu vim para conversar contigo novamente
Por causa de uma visão que se aproxima suavemente
Deixou suas sementes enquanto eu estava dormindo
E a visão que foi plantada em meu cérebro
Ainda permanece
Entre o som do silêncio

Em sonhos agitados eu caminho só
Em ruas estreitas de paralelepípedos
Sob a auréola de uma lamparina de rua
Virei meu colarinho para proteger do frio e umidade
Quando meus olhos foram apunhalados pelo lampejo de uma luz de néon
Que rachou a noite
E tocou o som do silêncio

E na luz nua eu vi
Dez mil pessoas talvez mais
Pessoas conversando sem falar
Pessoas ouvindo sem escutar
Pessoas escrevendo canções
Que vozes jamais compartilharam
Ninguém ousou
Perturbar o som do silêncio

“Tolos,” digo eu, “vocês não sabem
O silêncio como um câncer que cresce
Ouçam minhas palavras que eu posso lhes ensinar
Tomem meus braços que eu posso lhes estender”
Mas minhas palavras
Como silenciosas gotas de chuva caíram
E ecoaram no poço do silêncio

E as pessoas curvaram-se e rezaram
Ao Deus de néon que elas criaram
E um sinal faiscou o seu aviso
Nas palavras que estavam se formando
E o sinal disse
“As palavras dos profetas
Estão escritas nas paredes do metrô
E corredores de habitações
E sussurraram no som do silêncio”

The Sound of Silence simon garfunkel

Frases de Mahatma Gandhi

Frases de Mahatma Gandhi

Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho.

Mahatma Gandhi

A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitoria propriamente dita.

Mahatma Gandhi

As religiões são caminhos diferentes convergindo para o mesmo ponto. Que importância faz se seguimos por caminhos diferentes, desde que alcancemos o mesmo objetivo?

Mahatma Gandhi

A força não provém da capacidade física e sim de uma vontade indomável.

Mahatma Gandhi

O fraco jamais perdoa: o perdão é uma das características do forte.

Mahatma Gandhi

Olho por olho, e o mundo acabará cego.

Mahatma Gandhi

Aprendi através da experiência amarga a suprema lição: controlar minha ira e torná-la como o calor que é convertidoem energia. Nossaira controlada pode ser convertida numa força capaz de mover o mundo.

Mahatma Gandhi

O medo tem alguma utilidade, mas a covardia não.

Mahatma Gandhi

Um homem não pode fazer o certo numa área da vida, enquanto está ocupado em fazer o erradoem outra. Avida é um todo indivisível.

Mahatma Gandhi

Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.

Mahatma Gandhi

Se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova.

Mahatma Gandhi

O amor nunca faz reclamações; dá sempre. O amor tolera; jamais se irrita e nunca exerce vingança.

Mahatma Gandhi

O amor é a força mais sutil do mundo.

Mahatma Gandhi

Aqueles que têm um grande autocontrole, ou que estão totalmente absortos no trabalho, falam pouco. Palavra e ação juntas não andam bem. Repare na natureza: trabalha continuamente, mas em silêncio.

Mahatma Gandhi

Temos de nos tornar na mudança que queremos ver.

Mahatma Gandhi

Aprenda como se você fosse viver para sempre. Viva como se você fosse morrer amanhã.

Mahatma Gandhi

Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer.

Mahatma Gandhi

A lei de ouro do comportamento é a tolerância mútua, já que nunca pensaremos todos da mesma maneira, já que nunca veremos senão uma parte da verdade e sob ângulos diversos.

Mahatma Gandhi

Os fracos nunca podem perdoar.

Mahatma Gandhi

O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente.

Mahatma Gandhi

Frases de Fernando Pessoa

Frases de Fernando Pessoa


Tenho em mim todos os sonhos do mundo

Fernando Pessoa

 

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

Fernando Pessoa

 

As vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.

Fernando Pessoa

 

 

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.

Fernando Pessoa

 

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.

Fernando Pessoa

 

Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens.

Fernando Pessoa

 

A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.

Fernando Pessoa

 

Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugna-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é desumano, porque o humano é imperfeito.

Fernando Pessoa

 

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

Fernando Pessoa

 

Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.

Fernando Pessoa

O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela.

Fernando Pessoa

 

O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem as sensações de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto.

Fernando Pessoa

 

Para viajar basta existir.

Fernando Pessoa

 

A maioria pensa com a sensibilidade, eu sinto com o pensamento. Para o homem vulgar, sentir é viver e pensar é saber viver. Para mim, pensar é viver e sentir não é mais que o alimento de pensar.

Fernando Pessoa

 

 

Querer não é poder. Quem pôde, quis antes de poder só depois de poder. Quem quer nunca há-de poder, porque se perde em querer.

Fernando Pessoa

 

 

Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?

Fernando Pessoa

 

 

Sentir é criar. Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o universo não tem ideias.

Fernando Pessoa

 

Precisar de dominar os outros é precisar dos outros. O chefe é um dependente.

Fernando Pessoa

 

 

Amar é cansar-se de estar só: é uma covardia portanto, e uma traição a nós próprios (importa soberanamente que não amemos).

Fernando Pessoa

 

Considerar a nossa maior angústia como um incidente sem importância, não só na vida do universo, mas da nossa mesma alma, é o princípio da sabedoria.

Fernando Pessoa

 

Bom dia Amigos

Bom dia Amigos